2009-05-11

[Rescaldo] 4ª Maratona Internacional Idanha-a-Nova/Zarza la Mayor 9 Maio 2009

Já faz algum tempo que estava em ideia participar nesta maratona, motivado pelas fotos e relatos de anos anteriores de alguns dos fóruns do meio bttistico.
Por ser numa altura do ano em que se realiza outro grande evento desta modalidade em que o Team tem participado, estou a referir a maratona de Portalegre, portanto em Janeiro decidi não me inscrever nesta mega maratona e aguardar pelo dia do inicio das inscrições para a maratona de idanha a nova, e digo vos que foi a escolha mais que acertada, como viram no relato.
Pena foi não haver mais adesão dos membros do bikeXTeam para esta aventura.

Os destemidos foram, Miguel (eu :) ) e Luís, os veteranos do Team.
Posso dizer que o começo da maratona começou as 5h da manha de sábado 9 de Maio quando partimos de minha casa rumo a Idanha-a-Nova (pronto, ok! Luís, saíste mais cedo de casa ainda vieste da Marinha Grande para os Milagres), tralha enfiada para a mala do carro e as bikes bem amarradas nos suportes ai vamos nos.
Na viagem que é pelo mesmo trajecto de para Portalegre fez se notar que a quantidade de carros com bikes no tejadilho era muito menor quase a roçar o nulo do que, certamente, foi no fim-de-semana anterior, pelo que nos foi confirmado por o senhor do bar da área de serviço da A23. Ora aqui foi a pausa para esticar os ossos e aconchegar o estômago com um bolo e um café.
No decorrer dos mais de 200km de viagem deu para ver o nascer do sol, sempre espectacular por entre montes e montanhas que caracterizam a zona entre Abrantes e Idanha.
Enfim chegados a Idanha-a-nova, facilmente encontramos o Restaurante “O Espanhol” para o levantamento dos dorsais.(Luís essa rapariga do teu GPS se fossemos na conversa dela ainda hoje estávamos as voltas para chegar a Idanha EHEH). Juntamente com o dorsal vinha uma t-shirt alusiva á maratona, duas revistas e uns panfletos a promover a região.
Deixamos o carro no parque mesmo junto as instalações onde iriam ser os banhos, já lá estava algum pessoal e rapidamente se encheu o estacionamento com o pessoal para a maratona.
Chegamos cedo, mas já havia bikers a pedalar por todo o lado, era o momento de preparar as bikes e de nos prepararmos, equipar, espalhar um pouco de protector solar, umas barras nos bolsos, etc. e tal…
Era por ai umas 8h e já se fazia sentir um calor abrasador, (fonix…ainda não começamos a pedalar e já tou a transpirar…) entretanto o Luís entrou no dilema da manhã? “Levo o Camelbak?! Levo, não levo, levo!não levo!!” ao que respondi “EU LEVO!!!” e então ele: “Então tb vou levar”. Confesso que aquilo nas costas também me soou estranho, já não estava habituado, portanto desfeito o dilema seguimos para o local da partida.
Enquanto esperávamos pela partida fomos dando umas voltinhas por entre o pessoal que ia também chegando, tirei umas fotos, e chegarmos nos mais para a frente de partida, rapidamente o recinto ficou repleto de bttistas & CO.
9h houve um breefing e lá se deu a partida com muita pontualidade, o pessoal estava todo em pulgas, eu arranquei com "tranquilidade" eheh e lá segui em ritmo de aquecimento...também não dava para mais visto ser uma falsa partida em que todos iam em marcha lenta pelas ruas estreitas em calçada na zona histórica de idanha.
1º Choque visual – beeeemmmm?!! Fonix …. Esta calçada romana a descer em zigzag se é complicado descer…, nem quero imaginar como será a subir!!!
Chegado o terreno plano fez se uma muito breve paragem para reagrupar e fazer a partida real, daqui o ritmo foi bem mais rápido, percorremos um pouco de alcatrão onde o pelotão começou a dispersar ,devido a ser ligeiramente a subir, rapidamente chegamos ao nosso ambiente preferido “a terra”, nesta zona surgiram as primeiras subidas, ultrapassados estas primeiros obstáculos ( aqui não percebo por que é que o pessoal desmontava?! Como era em single track obrigava o pessoal de trás ao mesmo.)já lá em cima eis que surge uma enorme planície por onde se via uma linha de pó do pessoal passar todo em fila, espectacular visão.
Com este deslumbrar de paisagem nem me apercebi que a determinada altura estava a passar na divisão da maratona para a meia-maratona a qual nos tínhamos proposto fazer, não fosse a atenção do Luis lá ia eu para os 100km, ufaaa….
A partir daqui o terreno já era mais diversificado, com ligeiras e um pouco mais complicadas subidas e descidas sempre com uma brutal envolvente paisagística. (ahhhh em jeito de reparo, havia por lá umas pedras mais ao menos grandes e achatadas no meio dos trilhos que só depois é que conclui que eram umas valentes bostas secas do gado que por lá andava a pastar… ehehe). Em Alcafozes passamos pelo 1º abastecimento onde reforcei de água.
O calor já era tórrido, ainda bem que troxe o Camelbak e ao redor não se via mais nenhum bttitista, pensamento: “será que nos enganamos em algum sítio? não!!? Estão por aqui fitas.”
Passados algumas dezenas de quilómetros, num single track em pedra e em descida num ritmo considerável, ao travar sinto as manetes de travão a enrolar para a frente e os pulsos a ficarem completamente dobrados, valeu alguma destreza e conseguir parar a tempo que o pior acontecesse… o meu primeiro grande susto do dia. A causa deste aparato foi que os parafusos do avanço que fixam o guiador ficaram completamente folgados/desapertados, 2ª vantagem de ter trazido o Camelbak tínhamos ferramenta para apertar os parafusos. Resolvido o problema seguimos viagem, durante a reparação passou então por nós uma dezena de participantes (afinal vamos no caminho certo!!!), passamos por uma ponte romana lindíssima e entramos em Idanha a Velha, espectacular aquelas casas em pedra! Aqui foi a zona do 2º abastecimento junto as ruínas do que eu julgo ser um velho castelo, esta paragem foi obrigatória e mais demorada, aqui existia fruta, bolos, agua e até bebida energética, já estava a precisar disto!?, comi ½ banana e recolhi uma garrafa da bebida energética que fui bebendo pelo caminho. As correntes das nossas bikes já guixavam por todo o lado , e mais uma vez o famoso Camelbak deu jeito, isto porque o Luis trazia um frasquinho com óleo para correntes, tá a olear as ditas que merecem!
A partir daqui atravessamos riachos, andamos em estradões, single-tracks bastante técnicos a descer e a subir, percorremos alguns km nas margens da barragem “Marechal Carmona”, descemos mesmo junto ao betão da barragem e agora ter que subir tudo do outro lado da margem, mais uma parede com uma distância considerável e um calor abrasador.
Ultrapassada esta etapa já se avistava Idanha-a-Nova lá no alto, ah pois é!!! o que descemos no inicio em marcha lenta agora vamos ter que subir em marcha ainda maaiiisss leeeentaaa…claro está que uma parte da subida foi feita a pé, embora que uns 80% foi em cima da bike, também não estávamos assim tão mal!!!( OK!!pronto?! Luís, tiveste que espetar o” pionés” na perna por causa das cambrias!!!, vá lá, viemos juntos acabamos juntos!!!)
Passamos a meta em conjunto, com objectivo mais que cumprido. Que apesar de tudo fizemos o excelente tempo de 2h 48m por onde o conta-kms acusou 48.64km percorridos, classificação 23 e 24.
Depois da tralha arrumada e banho tomado, ainda fomos para a meta ver a chegada dos primeiros da Maratona (100km) e só então fomos ao porco no espeto.(huuuummmm)

Idanha, em 2010 tou ai “BORA LÀ”.

Boas Pedaladas.




Reacção:

0 comentários:

Enviar um comentário

Mensagens populares